ARTE Carta e orientações ao prof de Arte 2020

8 Pages • 1,287 Words • PDF • 1.1 MB
Uploaded at 2021-09-24 08:04

This document was submitted by our user and they confirm that they have the consent to share it. Assuming that you are writer or own the copyright of this document, report to us by using this DMCA report button.


ARTE 2020 Período Diagnóstico e Planejamento de Arte do Ensino Fundamental

Concurso sobre patrimônio Cultural da FCCR/ 2014. Disponível em: http://servicos2.sjc.sp.gov.br/secretarias/comunicacao/noticia.aspx?noticia_id=21585

[email protected] [email protected] Bem-vindos a mais um ano letivo. Desejo a todos momentos tranquilos e ricos em estudos e criações artísticas! Enquanto não iniciam nossos encontros em HTC específico, estamos à disposição nos canais abaixo: [email protected] 3901-2031 (Coordenadoria Pedagógica de Anos Finais) 12 - 991074856

1

ARTE 2020 Período Diagnóstico Anos Iniciais, Finais e EJA Estamos em processo de homologação da Matriz de Arte do Ensino Fundamental. O currículo da EJA tem previsão para ser construído neste ano de 2020 e será um ano de muito aprendizado. Você já deve ter visto nos livros didáticos as sinalizações aos novos documentos que orientam as práticas do ensino de Arte. Enquanto a nossa matriz está em fase de adequação e homologação, ficaremos atentos a BNCC – Base Nacional Comum Curricular e Currículo Paulista. Esses documentos estão disponíveis na internet, e também em nossa pasta de ARTE 2020: http://gg.gg/arte2020

Sobre a Matriz de Arte O nosso documento oficial está sendo adequado sob a luz das diretrizes da BNCC e Currículo Paulista. O componente Arte faz parte da área de linguagens com competências dessa área, além das competências específicas de Arte. Porém todas, corroboram para que os estudantes alcancem as competências gerais.

2

Os documentos citados apresentam as 10 competências gerais. As competências referem-se associação e articulação de conhecimentos, dito de outra maneira, são atitudes para resolver demandas complexas da vida. Quando a BNCC definiu as competências, ela validou que a educação deve criar ações para a transformação da sociedade, ou seja, espera-se que tenhamos pessoas mais humanas, justas, criativas, colaborativas e que pensem integralmente e sustentavelmente. Como nosso foco de trabalho está centrado nas competências, será necessário que os alunos vivenciem as habilidades propostas na BNCC. Essas habilidades foram analisadas e aprimoradas pelo grupo de estudo de professores de Arte no ano de 2019. Os organizadores com as habilidades estão em processo de homologação. Diante deste fato, para o período de diagnostico, sugerimos olhar para alguns campos conceituais que perpassam as diferentes linguagens artísticas. Esse termo é fruto das pesquisas de Mirian Celeste e Gisa Picosque, e estão propostos pela BNCC: Patrimônio Cultural – refere-se a todos os nossos bens, cultos, manifestações e produtos materiais e imateriais. Processo de Criação – está relacionado ao fazer artístico, entendendo que a arte é um processo e não apenas o produto final. 3

Linguagens artísticas – está relacionado as linguagens das artes e seus elementos, bem como suas relações hibridas. Experiências artísticas e estéticas – refere-se à intenção com a capacidade de percepção sensitiva, capaz de promover uma ação poética pessoal. Saberes e fazeres culturais –a relação da arte com as demais áreas do conhecimento, considerando a história da cultura brasileira, afro descendente e indígena. Materialidades – refere-se a todos os materiais necessários para a concretude de obras artísticas, como madeira, corpo, papeis, dentre outros.

Sugestão de procedimento para período diagnóstico Anos iniciais, finais e EJA: 1. Elabore um contrato pedagógico, nesse momento é interessante deixar claro as regras de convivência. Retome sempre que necessário. 2. Apresente os campos conceituais, de modo geral. 3. Proponha uma boa roda de conversa, com suportes diferenciados, e um campo conceitual. Solicite pesquisas das obras que compõem o campo, para cada aula, peça que registrem em formas variadas o que foi descoberto, colagem, desenho, mapas, dentre outros. 4. Para os estudantes dos anos iniciais, crie jogos com os campos, como dominó, amarelinha, quebra cabeças, com imagens e os conceitos. Proponha atividades desafiadoras para perceberem a relação e proximidade dos alunos já tem com os conceitos. 5. Garanta um tempo de diálogo e partilha para que os estudantes possam falar das vivências e o que eles sabem. Proponha a realização de registros em diferentes formas, desenho, fotografia, música, dentre outros. 6. Você terá um levantamento do que os alunos reconhecem sobre os campos que serão estudados com a proposta do nosso currículo. Anote para considerar na elaboração do planejamento. Vale lembrar que todas as linguagens artísticas perpassarão por esses campos conceituais. 7. Apresente aos alunos as Competências Gerais proposta pela BNCC e converse sobre o que se espera do cidadão do futuro. E que juntos vamos caminhar para uma sociedade mais justa, humana, colaborativa, criativa e sustentável.

4

ALGUMAS IMAGENS REFERENTES AOS CAMPOS CONCEITUAIS

PATRIMONIO CULTURAL

Folia de Reis

PROCESSO DE CRIAÇÃO

SABERES E FAZERES CULTURAIS

Jardim em Cingapura – arquitetura e sustentabilidade

EXPERIÊNCIAS ARTISTICAS E ESTÉTICAS

5

LINGUAGENS ARTISTICAS

Dança, música, teatro, artes visuais, cinema, linguagens hibridas... MATERIALIDADES

6

PLANEJAMENTO Em breve, será enviado as escolas o impresso para a elaboração do plano de ensino. Uma das colunas refere-se as habilidades, as seguintes são os objetos de conhecimento relacionados a habilidades, linguagens e campos conceituais. Elas já estão postas, a sequência em que o professor trabalhará com os estudantes poderá ser definida, bem como as estratégias didáticas e recursos. Para definir as estratégias, recursos será necessário considerar nas práticas as dimensões do conhecimento propostos pela BNCC: Criação: refere-se ao fazer artístico, quando os sujeitos criam, produzem e constroem. Trata-se de uma atitude intencional e investigativa que confere materialidade estética a sentimentos, ideias, desejos e representações em processos, acontecimentos e produções artísticas individuais ou coletivas. Essa dimensão trata do apreender o que está em jogo durante o fazer artístico, processo permeado por tomadas de decisão, entraves, desafios, conflitos, negociações e inquietações. Crítica: refere-se às impressões que impulsionam os sujeitos em direção a novas compreensões do espaço em que vivem, com base no estabelecimento de relações, por meio do estudo e da pesquisa, entre as diversas experiências e manifestações artísticas e culturais vividas e conhecidas. Essa dimensão articula ação e pensamento propositivos, envolvendo aspectos estéticos, políticos, históricos, filosóficos, sociais, econômicos e culturais. Estesia: refere-se à experiência sensível dos sujeitos em relação ao espaço, ao tempo, ao som, à ação, às imagens, ao próprio corpo e aos diferentes materiais. Essa dimensão articula a sensibilidade e a percepção, tomadas como forma de conhecer a si mesmo, o outro e o mundo. Nela, o corpo em sua totalidade (emoção, percepção, intuição, sensibilidade e intelecto) é o protagonista da experiência. Expressão: refere-se às possibilidades de exteriorizar e manifestar as criações subjetivas por meio de procedimentos artísticos, tanto em âmbito individual quanto coletivo. Essa dimensão emerge da experiência artística com os elementos constitutivos de cada linguagem, dos seus vocabulários específicos e das suas materialidades.

7

Fruição: refere-se ao deleite, ao prazer, ao estranhamento e à abertura para se sensibilizar durante a participação em práticas artísticas e culturais. Essa dimensão implica disponibilidade dos sujeitos para a relação continuada com produções artísticas e culturais oriundas das mais diversas épocas, lugares e grupos sociais. Reflexão: refere-se ao processo de construir argumentos e ponderações sobre as fruições, as experiências e os processos criativos, artísticos e culturais. É a atitude de perceber, analisar e interpretar as manifestações artísticas e culturais, seja como criador, seja como leitor.

Dicas sobre as nutrições estéticas O termo nutrição estética é proposto por Miriam Celeste e Gisa Picosque e esta relacionado ao ato de “alimentar” artisticamente. Quando oferecemos em nossas práticas educativas a apreciação e leitura de obras de diferentes linguagens, estamos propondo uma ação que nutre, que sustém, objetivado em ampliação de repertório referente ao mundo das artes. Tendo em vista a nova proposta curricular, que traz um enfoque nas brasilidades, ao fazer a seleção das obras de arte para a apreciação artística, tente garantir obras de artistas brasileiros e locais. Considere as matrizes estéticas destas obras. Faça o levantamento até mesmo com os alunos, para elaborar um acervo de obras para o estudo durante o ano.

Mãos na arte! Bom trabalho! Edilaine I. F. Aquino (Dila) Orientadora de Ensino de Arte

8
ARTE Carta e orientações ao prof de Arte 2020

Related documents

8 Pages • 1,287 Words • PDF • 1.1 MB

2 Pages • 609 Words • PDF • 121.8 KB

2 Pages • 595 Words • PDF • 190.1 KB

33 Pages • PDF • 3.3 MB

487 Pages • 217,846 Words • PDF • 46.7 MB

695 Pages • 133,764 Words • PDF • 1.9 MB

1 Pages • 18 Words • PDF • 161.2 KB

18 Pages • 9,974 Words • PDF • 543.6 KB

204 Pages • 67,166 Words • PDF • 2.3 MB

665 Pages • PDF • 55.2 MB

669 Pages • 184,541 Words • PDF • 4.7 MB